Laboratório Citocenter

Exames

LEISHMANIA PESQUISA

LEISP – LEISHMANIA – PESQUISA
 

MATERIAL
SECREÇÃO DA BORDA DA LESÃO
 

MEIO(S) DE COLETA
Lâmina
 

VOLUME MÍNIMO
2 Lâminas
 

INSTRUÇÕES DE COLETA
LEISP:
Lavar abundantemente a lesão com solução fisiológica estéril, de modo a evitar a contaminação do esfregaço por cocos que, normalmente recobrem a úlcera.
Secar a lesão com gaze esterilizada alcançando a região do fundo da úlcera, logo abaixo da borda.
Necessário escarificar três áreas diferentes da borda da lesão.
Aguardar a exsudação do plasma e coletar o material.  Conservar o material em esfregaço fixado sobre lâmina de vidro.
Acondicionar as lâminas em porta- lâminas devidamente identificado.
 

INTERPRETAÇÃO
A leishmaniose é uma doença do sistema reticuloendotelial causado por protozoário cinetoplastida do gênero Leishmania e é transmitida ao homem pela picada de mosquitos flebotomíneos, também chamados de mosquito palha ou birigui.  De modo geral, essas enfermidades se dividem em leishmanioses tegumentares, que atacam a pele e as mucosas, e viscerais que atacam os órgãos internos. A transmissão acontece quando uma fêmea infectada de flebotomíneo passa o protozoário a uma vítima saudável, enquanto se alimenta de seu sangue. O cão doméstico é considerado o reservatório epidemiologicamente mais importante para a leishmaniose visceral americana. Os sintomas das leishmanioses variam de acordo com a espécie de protozoário. De modo geral, as tegumentares causam lesões na pele (mais frequentemente ulcerações) e, em casos mais graves, atacam as mucosas do rosto, como nariz e lábios (leishmaniose mucosa). As leishmanioses viscerais causam febre, emagrecimento, anemia, aumento do fígado e do baço e imunodeficiência.

Sinonímia

LEISHMANPQ ; LEISHMANIA PESQUISA

Informações Adicionais

Prazo de Entrega

7 Dias

Matarial

Diversos