Laboratório Citocenter

Exames

COBRE

Material
Sangue
 
Palavras Chave
Cobre serico
Cupremia
Doença de Wilson
Cobre ligado a ceruloplasmina
 
Instruções
Aos sábados a coleta deste exame é realizada até as 9 horas e nos feriados até as 8 horas.
 
Jejum
Não é necessário.
– Solicitar o tubo específico para coleta de metais (tubo vacuette 6 mL, tampa branca e sem aditivo).
 
Condições
Soro.
 
Coleta Apoio
– Não colher em tudo de gel separador.
– Coletar em tubo específico para coleta de metais (tubo vacuette 6 mL, tampa branca e sem aditivo).
– Sugere-se para agilizar a retração do coágulo (tubo não possui aditivos e, portanto, a retração pode ser dificultada em locais de baixa temperatura), mantê-lo na posição vertical, tampado, durante 2 horas em estufa ou banho-maria a 37 °C.
– Após esse período, e após a completa retração do coágulo, centrifugar a amostra por 15 minutos.
– Transferir o soro apenas para o tubo de transporte convencional fornecido pelo Instituto Hermes Pardini, sem a utilização de pipetas e ponteiras (verter diretamente o soro do tubo de coleta para o tubo de transporte).
– Tampar o tubo de transporte e enviar.
 
Recomendações:
– Se houver outros exames, coletar primeiro as amostras para metais.
– O contato do sangue com metais, vidro, borracha, poeira e alguns tipos de plásticos (polietileno), podem contaminar a amostra.
– O tubo de coleta do kit (retirar) é inerte, portanto é esperado uma demora no fenômeno da coagulação e retração do coágulo, principalmente em dias frios.
– Não é necessária a homogeneização dos tubos após a coleta, pois estes não possuem ativador de coágulo.
– Não centrifugar a amostra até se observar a completa retração do coágulo, pois pode haver a formação de fibrina, que retém o soro e impedem a sua transferência.
– Se houver formação de fibrina, não introduzir ponteiras ou qualquer outro objeto no interior do tubo, pois este procedimento pode gerar a contaminação da amostra.
– Não utilizar luvas de látex ao manipular amostras e materiais para análises de elementos como o Alumínio, para evitar contaminação da amostra. A manipulação das amostras deve ser realizada com luvas de plástico sem talco.
 
As amostras devem ser centrifugadas a 1800g por 15 min ou 2200g por 10 min. Abaixo tabela de conversão da força g para rpm, de acordo com o raio da centrífuga.
– 1800 g:
.| 7 cm | 4796 rpm| |17 cm | 3077 rpm|
.| 8 cm | 4486 rpm| |18 cm | 2991 rpm|
.| 9 cm | 4230 rpm| |19 cm | 2911 rpm|
.|10 cm | 4013 rpm| |20 cm | 2837 rpm|
.|11 cm | 3826 rpm| |21 cm | 2769 rpm|
.|12 cm | 3663 rpm| |22 cm | 2705 rpm|
.|13 cm | 3519 rpm| |23 cm | 2646 rpm|
.|14 cm | 3391 rpm| |24 cm | 2590 rpm|
.|15 cm | 3276 rpm| |25 cm | 2538 rpm|
.|16 cm | 3172 rpm|
 
– 2200 g:
.| 7 cm | 5302 rpm| |17 cm | 3402 rpm|
.| 8 cm | 4960 rpm| |18 cm | 3306 rpm|
.| 9 cm | 4676 rpm| |19 cm | 3218 rpm|
.|10 cm | 4436 rpm| |20 cm | 3137 rpm|
.|11 cm | 4230 rpm| |21 cm | 3061 rpm|
.|12 cm | 4049 rpm| |22 cm | 2991 rpm|
.|13 cm | 3891 rpm| |23 cm | 2925 rpm|
.|14 cm | 3749 rpm| |24 cm | 2863 rpm|
.|15 cm | 3622 rpm| |25 cm | 2806 rpm|
.|16 cm | 3502 rpm|
 
Volume Mínimo
1,5 ml.
 
Volume Recomendável
2,0 ml.
 
Interferentes
Hemólise.
Material colhido de maneira inadequada.
Lipemia.
Icterícia.
 
Questionário
Informar se é exposto ocupacionalmente.
Informar se faz uso de algum medicamento.
Informar se há suspeita da Doença de Wilson.
Informar se a paciente é gestante.
 
Critérios de Rejeição
Hemólise Grau II e Grau III.
Amostra coletada e enviada⁄transportada em tubo impróprio para metais.
Lipemia Relevante.
Icterícia Relevante.
 
Comentários
O cobre total do organismo concentra-se principalmente no fígado e nos músculos. São fontes alimentares ricas em cobre: vísceras, frutos do mar, chocolate, nozes e sementes.
A absorção é reduzida pela ingestão excessiva de ferro e zinco, e também pelo ácido ascórbico. Como até 90% do cobre circula ligado a ceruloplasmina, fatores ligados a aumento da síntese hepática desta proteína, como resposta de fase aguda, gestação e uso de contraceptivos orais contendo estrogênio, provocam elevação do cobre sérico, independentemente de sua ingestão.
O uso de corticosteroides e a redução das proteínas séricas devido a síndrome nefrótica, má-absorção ou desnutrição, provocam diminuição do cobre sérico, sem que isto reflita estoques hepáticos inadequados.
Os estoques corporais duram poucas semanas quando a ingestão de cobre é baixa. O cobre é excretado pela bile nas fezes. Pacientes com icterícia colestática e outras formas de lesão hepática apresentam risco de acúmulo de cobre por falência na excreção. Os valores de referência para cobre sérico dependem da idade e sexo e são mais altos na gestação.
Ocorre variação diurna nas concentrações, com pico durante a manhã. A dosagem de cobre sérico é um teste utilizado para confirmar deficiência grave de cobre, mas não é um indicador sensível de depleção leve.
A deficiência de cobre é observada em casos de doenças genéticas raras, desnutrição prolongada, prematuridade, síndromes de má-absorção, nutrição parenteral sem adição de cobre suficiente, doença falciforme em uso de zinco, ingestão excessiva de suplementos orais com zinco, e tratamento com agentes quelantes de cobre, como penicilamina.
São sinais e sintomas da deficiência de cobre: anemia hipocrômica, ataxia, neutropenia, anormalidades ósseas e de articulações, diminuição da pigmentação da pele e alterações neurológicas. São defeitos genéticos do metabolismo do cobre a síndrome de Menkes e a Doença de Wilson.
Na Síndrome de Menkes, uma doença congênita recessiva ligada ao X, mutações no gene ATP7A provoca comprometimento do transporte intestinal de cobre, resultando em deficiência grave. As manifestações clínicas se iniciam geralmente por volta de 3 meses de idade.
A condição é caracterizada por atraso do desenvolvimento, hipotonia, convulsões, falência na queratinização dos cabelos, anormalidades esqueléticas e alterações degenerativas da aorta.
Crianças afetadas geralmente apresentam cobre sérico abaixo de 65 mcg⁄dl e ceruloplasmina abaixo de 22 mg⁄dl. Já a Doença de Wilson é uma doença autossômica recessiva decorrente de mutações no gene ATP7B, que afetam tanto a incorporação do cobre na ceruloplasmina quanto a excreção biliar de cobre, resultando em acúmulo tóxico.
O cobre em excesso se deposita no fígado, cérebro, rins, córneas e em outros tecidos.
Os sinais e sintomas incluem alterações neurológicas, hepáticas e oftalmológicas, como os anéis de Kayser-Fleischer, causados pela deposição de cobre nas córneas. A investigação inicial deve incluir cobre sérico e ceruloplasmina.
O cobre está geralmente abaixo de 50 mcg⁄dl e a ceruloplasmina abaixo de 20 mg⁄dl. No entanto, esta pode estar normal ou aumentada em resposta a inflamação hepática. Embora o cobre sérico total esteja diminuído, a fração não ligada a ceruloplasmina está aumentada, permitindo a deposição no cérebro, olhos e rins.
O cobre urinário está aumentado (acima de 100 mcg⁄24h) na Doença de Wilson. Anéis de Kayser-Fleischer e alterações nos testes de função hepática podem ser notados quando o cobre urinário está acima de 500 mcg⁄L. O diagnóstico pode ser difícil em pacientes com insuficiência hepática aguda, já que há grande aumento de cobre plasmático, liberado em decorrência da necrose hepática, sem aumento apropriado de ceruloplasmina.
A fração não ligada pode representar mais de 80% do cobre plasmático total nestes casos e o cobre em excesso pode causar hemólise intravascular e insuficiência renal.
A intoxicação por cobre pode ser causada pela contaminação de alimentos e água, e por suplementos em excesso. Doses acima de 10 mg por dia provocam náusea, vômitos, cólicas abdominais e diarreia.
A intoxicação aguda pode se apresentar com hemólise, dano celular hepático e cerebral. Doses mais altas podem provocar coma e morte. Pode ocorrer intoxicação aguda por ingestão acidental ou intencional de sulfato de cobre, presente em fungicidas, e por exposição industrial. Há relatos ainda de toxicidade pela liberação de cobre a partir de dispositivos intrauterinos.
No caso de avaliação ocupacional, a interpretação dos resultados fica a critério médico, já que não está determinado o Índice Biológico Máximo Permitido (IBMP) pela NR-7.

Sinonímia

COBRE ; COBRE SERICO ; COBRES

Informações Adicionais

Prazo de Entrega

8 Dias

Matarial

Soro (Desmineralizado) Quantidade: 0 ml