SAC62 3524-7000
62 98557-6105

Notícias

O que é o blecaute alcoólico e por que é tão perigoso

Publicado em : 08/10/2018

É uma experiência já vivida por muitas pessoas: uma noite regada a bebidas alcóolicas que deixa poucas memórias no dia seguinte. Um blecaute.
A amnésia causada pelo excesso de álcool ocorre quando o cérebro se torna incapaz de registrar os eventos transcorridos durante a bebedeira.
Isso porque circuitos do hipocampo, área do cérebro que tem papel crucial em consolidar as memórias do nosso cotidiano, são inibidos pelo álcool, explica o Instituto Nacional de Abuso do Álcool e de Alcoolismo dos EUA (NIAAA, na sigla em inglês).
O resultado são falhas no sistema de registro cerebral.
Há dois tipos de blecautes. O mais comum, chamado blecaute fragmentado, é quando um indivíduo retém pedaços dispersos de memória, embora tenha se esquecido de alguns detalhes do que aconteceu enquanto estava embriagado. Essa pessoa talvez se lembre de ter bebido alguns drinques, mas não de quem pagou a conta. Nesses casos, especialistas afirmam que um esforço de memória muitas vezes ajuda a recordar os detalhes ausentes.
O segundo tipo, porém, é o blecaute total, ou "en bloc": uma amnésia severa que abrange um período de diversas horas. Em geral é difícil lembrar o que aconteceu, porque essa informação não chegou a ser registrada pelo cérebro.
É algo comum?
Blecautes fragmentados são bastante comuns, especialmente entre jovens consumidores de álcool, segundo estudos.
"Entre 30% e 50% dos jovens adultos que bebem de fato relatam ter tido alguma experiência com blecaute relacionado ao consumo de álcool", diz Kate Carey, professora de ciências sociais e comportamentais na Universidade Brown, nos EUA.
Esse efeito entra em ação quando a concentração de álcool no sangue sobe abruptamente e alcança níveis elevados - em geral quando se bebe muito álcool em pouco tempo ou quando se bebe de estômago vazio.
Segundo a NIAAA, as mulheres são mais vulneráveis: "elas têm maior propensão a beber com o estômago vazio do que os homens e tendem a ingerir bebidas com maior concentração de álcool do que cerveja, como drinques, shots e vinho", diz a organização.
Além disso, elas costumam pesar menos do que os homens e a ter menos água no corpo, o que leva o nível de álcool no sangue a subir mais rapidamente.
Acredita-se que fatores genéticos podem deixar algumas pessoas mais suscetíveis a esses blecautes. E, segundo alguns especialistas, quem fuma ou usa outras drogas recreativas enquanto bebe também pode aumentar seu risco de perder a memória do evento.
 
Sinais
Carey explica que não necessariamente há sinais visíveis de que uma pessoa esteja em processo de blecaute alcóolico.
Como nossas funções básicas de curto prazo se mantêm ativas a despeito da intoxicação por álcool, é possível que a pessoa esteja acordada e ativa, mas que não vá lembrar das coisas posteriormente.
No entanto, algumas pessoas de fato mostram sinais de risco: ficam distraídas e incapazes de dar continuidade a uma conversa, por exemplo.
 
Quais as consequências?
Segundo os American Addiction Centers (centros de combate a vícios nos EUA), esse aumento do nível do álcool no sangue leva as pessoas a comportamentos de risco, já que sua capacidade decisória fica comprometida.
Isso inclui dirigir embriagado, entrar em brigas, cometer (ou ficar mais suscetível a) crimes sexuais, diz a NIAAA.
Além da perda de memória, a constância de blecautes pode indicar que a pessoa tem um problema de saúde grave com a bebida - e isso pode desencadear também males de saúde de longo prazo, como no fígado.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fonte: g1.com.br

Notícias

Crianças e a Internet: quais as dicas?

25/03/2019

Nas últimas semanas, a boneca Momo aterrorizou crianças, pais, cuidadores e todos os que viram sua imagem e souberam o conteúdo de suas mensagens veiculadas pela internet.

Aumenta número de fraturas em idosos que passeiam com cães

24/03/2019

Exercitar-se com o animal de estimação faz bem à saúde, mas é preciso observar alguns cuidados

Quando a mania de morder objetos pode virar problema?

21/03/2019

Para evitar que o problema se agrave, o ideal é fazer um tratamento multidisciplinar, com dentista, fisioterapeuta e psicólogo.

Incontinência urinária atinge 35% das mulheres com mais de 40 anos e após a menopausa

20/03/2019

Dados são da Sociedade Brasileira de Urologia. Cerca de 5% da população sofre de incontinência urinária.

Risco de prisão de ventre aumenta depois da menopausa

14/03/2019

Homens e mulheres devem ficar atentos a sinais de sangue nas fezes

Hantavírus: o que é a doença que já matou mais de 10 pessoas na Argentina

25/01/2019

Uma única festa de aniversário no sul da Argentina pode ter sido o ponto de partida para a morte e contágio de diversas pessoas por hantavirose.

Com chegada do Réveillon, alerta é festejar sem abusar do álcool

30/12/2018

Na festa da virada do ano, o lema deve ser comemorar, mas sem abusar do consumo de álcool, principalmente para quem for dirigir.

Licopeno: o antioxidante que ajuda a prevenir câncer e faz bem para o coração

12/12/2018

Tomate e melancia são alimentos ricos em licopeno.

Sintomas de depressão na infância e adolescência são mais variados

23/11/2018

Os sintomas podem se confundir com outros problemas.

Horário de verão: veja como se adaptar melhor às mudanças sentidas pelo corpo

03/11/2018

Alimentos como abacate e maracujá podem ajudar a regular o sono. Manter rotina é importante.