SAC62 3524-7000
62 98557-6105

Notícias

Incontinência urinária atinge 35% das mulheres com mais de 40 anos e após a menopausa

Publicado em : 20/03/2019

De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, a incontinência urinária atinge 35% das mulheres com mais de 40 anos, após a menopausa e em 40% das gestantes. Cerca de 5% da população (homens e mulheres) sofre de incontinência.
Perder urina não é normal, mesmo que seja um pouquinho.
No caso da Liliana, tudo começou aos 50 anos por causa da bexiga hiperativa, quando dá vontade de fazer xixi do nada. Já a incontinência da Deise apareceu muito cedo, antes dos 50 anos. E os sintomas surgiram depois de uma infecção.
A Deise fez sessões de laser para deixar a musculatura da vagina mais forte. Melhorou, mas de uns meses para cá, ela sentiu que o problema está voltando. Já a Liliana se livrou de vez com remédios.
A incontinência causa prejuízo na qualidade de vida das pessoas, pois afeta o convívio social, profissional, sexualidade e saúde. Na mulher adulta, a incontinência urinária de esforço é a principal causa, tendo como fatores de risco: tosse crônica, obesidade, gravidez, cirurgias pélvicas. O simples fato de espirrar, tossir, correr, rir, pular ou levantar peso pode intensificar o distúrbio.
Os tipos de incontinência mais comuns são:
De esforço: ocorre frequentemente em pessoa que teve algum tipo de lesão do esfíncter da uretra ou que tem prolapso de bexiga. Isso significa que ela terá perda de urina ao espirrar, tossir, rir, levantar algo, subir escada, fazer atividade física. Os tratamentos começam com técnicas comportamentais e fisioterapia.
De urgência ou bexiga hiperativa: é um desejo de urinar que é tão forte que a pessoa não consegue chegar ao banheiro a tempo. A síndrome da bexiga hiperativa é a principal causa dessa incontinência. O tratamento também começa com terapia comportamental e fisioterapia. Também há a opção de uso de toxina botulínica e um implante de neuromodulador.
Mista: ocorre quando o paciente tem os dois tipos ao mesmo tempo.
Algumas mudanças de hábitos no estilo de vida podem ajudar a prevenir a perda de urina. Isso inclui o controle de ingestão de líquidos, programação para urinar, treinamento da bexiga e programação de intervalo de micções, perda de peso, parar de fumar, controlar hipertensão e diabetes. O tratamento pode ser feito através de fisioterapia, cones vaginais, estimulação elétrica, cirurgia ou toxina botulínica.
 
Fonte: g1.com.br
 

 

Notícias

Crianças e a Internet: quais as dicas?

25/03/2019

Nas últimas semanas, a boneca Momo aterrorizou crianças, pais, cuidadores e todos os que viram sua imagem e souberam o conteúdo de suas mensagens veiculadas pela internet.

Aumenta número de fraturas em idosos que passeiam com cães

24/03/2019

Exercitar-se com o animal de estimação faz bem à saúde, mas é preciso observar alguns cuidados

Quando a mania de morder objetos pode virar problema?

21/03/2019

Para evitar que o problema se agrave, o ideal é fazer um tratamento multidisciplinar, com dentista, fisioterapeuta e psicólogo.

Risco de prisão de ventre aumenta depois da menopausa

14/03/2019

Homens e mulheres devem ficar atentos a sinais de sangue nas fezes

Hantavírus: o que é a doença que já matou mais de 10 pessoas na Argentina

25/01/2019

Uma única festa de aniversário no sul da Argentina pode ter sido o ponto de partida para a morte e contágio de diversas pessoas por hantavirose.

Com chegada do Réveillon, alerta é festejar sem abusar do álcool

30/12/2018

Na festa da virada do ano, o lema deve ser comemorar, mas sem abusar do consumo de álcool, principalmente para quem for dirigir.

Licopeno: o antioxidante que ajuda a prevenir câncer e faz bem para o coração

12/12/2018

Tomate e melancia são alimentos ricos em licopeno.

Sintomas de depressão na infância e adolescência são mais variados

23/11/2018

Os sintomas podem se confundir com outros problemas.

Horário de verão: veja como se adaptar melhor às mudanças sentidas pelo corpo

03/11/2018

Alimentos como abacate e maracujá podem ajudar a regular o sono. Manter rotina é importante.

Apesar de raro, câncer de mama masculino também pode ser fatal

30/10/2018

De acordo com o Inca, 16.254 brasileiros morreram de câncer de mama em 2016, sendo 16.069 mulheres e apenas 185 homens. Doença pode ser prevenida com hábitos de vida saudáveis.