SAC62 3524-7000
62 98557-6105

Notícias

'Pensei que fosse doença da Idade Média': o novo avanço da sífilis no mundo - e no Brasil

Publicado em : 11/04/2018

Eu pensei que a sífilis era algo da Idade Média, que havia desaparecido e que não era algo que poderia ocorrer nos tempos modernos."
Quem diz isso é Gavin, jovem britânico que descobriu ter a doença ao realizar um teste caseiro para detectar infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).
Sem apresentar nenhum sintoma da doença, ele teve sorte ao identificá-la antes de sofrer consequências que poderiam ser muito graves.
O caso de Gavin serve de alerta para um aumento dos casos notificados de sífilis em diversos países do mundo, incluindo o Brasil.
Na Inglaterra, por exemplo, o número de casos da doença chegou ao maior nível desde 1949; nos EUA, dados de 2017 apontam que a sífilis avançou em todas as regiões e na maioria dos grupos etários.
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada ano, 5,6 milhões de pessoas contraem sífilis no mundo.
E é uma infecção que se propaga mais facilmente que outras ISTs, como gonorreia e clamídia.
No Brasil, a sífilis adquirida (ou seja, em adultos) teve aumento de 27,9% entre 2015 e 2016 (dados mais recentes disponíveis), segundo o Ministério da Saúde. Em 2016, foram registrados 87.593 mil casos em adultos. As infecções por sífilis congênita em bebês, passada de mãe para filho na gestação, cresceu 4,7%.
O ministério disse em 2017 que esses números são resultado de um desabastecimento da penicilina (medicamento mais efetivo contra a sífilis), mas também do aumento nos diagnósticos, por conta da distribuição de testes na rede pública de saúde.
 
Sintomas (ou ausência deles)
 
Em alguns casos, os sintomas da sífilis em adultos são:
- úlceras genitais
- erupções generalizadas na pele, ou na palma das mãos e plantas dos pés
- cansaço e dor de cabeça
- febre e dor nas articulações
 
O problema é que, diferentemente do que acontece com outras ISTs, uma pessoa pode estar infectada com sífilis e não apresentar nenhum sintoma. E, dessa forma, acaba contagiando outras pessoas inadvertidamente.
Foi o caso de Gavin, que descobriu a doença justamente na fase chamada sífilis secundária, que é a etapa mais contagiosa da doença.
A sífilis é provocada pela bactéria Treponema pallidum e transmitida sobretudo pela via sexual (pela lesão genital que causa), seja vaginal, anal ou oral.
É, também, transmitida de mãe para filhos durante a gravidez - e também a segunda maior causa de mortalidade entre recém-nascidos no mundo.
Para cumprir a meta da OMS de eliminar as mortes por sífilis congênita, o Brasil terá de reduzir a taxa atual de 6,8 casos por mil nascidos vivos para no máximo 0,5 por mil.
Isso seria factível no curto prazo "porque a sífilis é facilmente detectada e tratada. Tendo o teste rápido e tendo a penicilina, é possível alcançar a eliminação (da doença)", disse à Agência Brasil em 2017 Adele Benzaken, diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle de DSTs, HIV/Aids e Hepatites Virais do ministério.
 
Tabus e consequências
 

Mas, entre adultos, a doença ainda enfrenta tabus.

O tratamento consiste em antibiótico - penicilina benzatina para adultos e penicilina cristalina em bebês.

É crucial, porém, fazer o diagnóstico o mais cedo possível, uma vez que, sem tratamento, a infecção pode perdurar anos e causar problemas sérios de saúde a longo prazo, como derrames, sintomas de demência, perda de coordenação, cegueira e males cardíacos. E, ainda que a sífilis possa ser tratada nesse estágio posterior, os danos causados por ela podem ser irreversíveis.

Por fim, as úlceras genitais causadas pela sífilis são uma porta de entrada para o contágio também pelo vírus HIV, como foi o caso de Gavin.

 

Fonte: g1.com

 

Notícias

Dia Mundial Sem Tabaco: quais são os países com mais e menos fumantes?

31/05/2018

França teve queda em número dos que fumam todo dia e Brasil é exemplo de país que conseguiu redução drástica; mas há países em que mais de dois terços da população fumam; veja quais são estes e os que menos fumam.

Como se produz a menstruação e por que algumas mulheres sentem mais dor que outras

28/05/2018

Milhões de mulheres no mundo ainda sofrem com o estigma social de um processo biológico tão natural como respirar.

O ciclo menstrual é um fenômeno tão natural quanto respirar ou digerir, e acontece uma vez por mês com mais da metade da população mundial.

Cores e tipos de manchas na pele apontam para diferentes problemas

24/05/2018

O melasma tem o surgimento relacionado a fatores genéticos, hormonais e o sol. Entenda o que é o nevo congênito.

Intolerância a Lactose

14/05/2018

A lactose é o açúcar de quase todos os leites. Quando ingerimos, esta substância é quebrada em dois açúcares menores (galactose e glicose), os quais são absorvidos no intestino delgado, alcançam a corrente sanguínea e, então, são utilizadas como fonte de energia pelas células. A lactase é a enzima que faz esta quebra. A lactose não é digerida quando há deficiência parcial ou total da lactase, alcançando o intestino grosso (cólon). Desse modo, as bactérias do cólon metabolizam a lactose absorvida em gases que são responsáveis pelos sinais e sintomas da intolerância à lactose.

Dez coisas que você precisa saber sobre ADOLESCÊNCIA E MENSTRUAÇÃO

04/05/2018

Enurese (xixi na cama)

30/04/2018

A enurese é definida como perda involuntária de urina durante o sono em crianças com mais de cinco anos. Fazer xixi na cama é uma situação que acomete mais meninos do que meninas e gera muitos transtornos, tanto para a criança quanto para a família.

Dez coisas que você precisa saber sobre HIRSUTISMO

24/04/2018

H1N1: devemos nos vacinar contra a gripe em 2018?

10/04/2018

“Vacina da gripe dá gripe? Precisa mesmo tomar a vacina? Já tomei no ano passado: tem que tomar de novo? Este vírus H3N2 é pior que o H1N1? ” 

Transtorno Obsessivo Compulsivo: como reconhecer os sinais?

07/04/2018

O diagnóstico não é difícil. Com observação e muita conversa fica fácil entender os sintomas.

Problema hormonal pode provocar a queda de cabelo

04/04/2018

A testosterona, hormônio masculino, é a principal causa de calvície. Estresse, amamentação, pós-cirurgias, deficiência de nutrientes, menopausa também podem provocar a queda de cabelo.